quinta-feira, 6 de março de 2014

A ARRAIA QUE QUERIA SER GENTE







NATHÁLIA ERA UMA ARRAIA
QUE PENSAVA DIFERENTE.
ENQUANTO TODAS BRINCAVAM
ELA QUERIA SER GENTE.

VIVIA O TEMPO SONHANDO
NÃO PARAVA DE PENSAR.
NO DIA EM QUE PODERIA
NA TERRA FIRME PISAR.

EMBORA FOSSE BONITA
MUITO ELEGANTE AO NADAR.
NUNCA PARTICIPAVA
DOS DESFILES DO MAR.

SEU SONHO ERA SER GENTE
QUERIA DEIXAR O MAR.
E ASSIM EM TERRA FIRME
PASSARIA A MORAR.

SONHANDO COMO SERIA
A VIDA FORA DO MAR.
SENTIR O VENTO SOPRANDO
VER OS PÁSSAROS VOAR.

UM DIA PARTIU NATHÁLIA
PARA NA TERRA MORAR.
DISSE ADEUS ÀS AMIGUINHAS
POIS NÃO IA MAIS VOLTAR.

CHEGANDO NATHÁLIA À PRAIA
LOGO, LOGO SE ENCANTOU.
COM A AREIA QUENTINHA
E O PÁSSARO QUE VOOU.

SENTIU O VENTO NO CORPO
SORRIU AO SOL QUE BRILHAVA.
PULAVA E SE ALEGRAVA
NA SUA NOVA MORADA.

A PEQUENA ARRAIA
ENTÃO DECIDIU IR PASSEAR.
PELAS RUAS DA CIDADE
LOGO PÔS-SE A CAMINHAR.

AO CHEGAR A UMA ESQUINA
UM GATINHO APARECEU.
E CORREU ATRÁS DELA
QUE RAPIDAMENTE FUGIU.

FUGINDO DO GATINHO
ENCONTROU UM CACHORRO.
QUE PARECEU TER PENSADO
FAZER DELA SEU ALMOÇO.

NATHÁLIA FUGIU DEPRESSA
TANTO DO CÃO COMO DO GATO.
EM SEGUIDA UM PELICANO
QUIS COLOCÁ-LA NO PAPO.

NÃO FOI MUITO FÁCIL
FUGIR DO PELICANO.
MAS NATHÁLIA CONSEGUIU
ESCONDER-SE EM UM CANO.

A ARRAIA VOLTOU À PRAIA
DEPRESSINHA, DEPRESSINHA.
MAS NÃO TEVE SOSSEGO
A FUGIR DAS CRIANCINHAS.

NATHÁLIA NÃO ENTENDIA
O QUE ESTAVA ACONTECENDO.
PORQUE NINGUÉM QUERIA
VÊ-LA NA TERRA VIVENDO.

DECIDIU ENTÃO NATHÁLIA
AO MAR DEVIA VOLTAR.
POIS AFINAL ENTENDEU
QUE ALI ERA SEU LUGAR.



O TUBARÃO SALVA-VIDAS







ERA UMA VEZ UM TUBARÃO
QUE SE CHAMAVA NANANDO.
VIVIA PERTO DA PRAIA
NA ÁGUA MORNA DO OCEANO.

NANANDO ERA DIFERENTE
DOS OUTROS PEIXES DO MAR.
QUERIA SER SALVA-VIDAS
ÀS CRIANÇAS AJUDAR.

QUANDO ALGUÉM NO MAR GRITAVA
QUE ESTIVESSE A AFOGAR.
NANANDO VINHA DEPRESSA
PRA SUA AJUDA PRESTAR.

MAS AS PESSOAS PENSAVAM
QUE ELE QUISESSE ATACAR.
TENTAVAM PEGAR NANANDO
QUERIAM O APRISIONAR.

NANANDO ENTÃO FUGIA
PARA O FUNDO DO MAR.
SEM NUNCA TER CONSEGUIDO
UMA PESSOA SALVAR.

EM DETERMINADO DIA
NUMA TARDE DE VERÃO.
NA PRAIA ESTAVA A FAMÍLIA
BEM LONGE DA MULTIDÃO.

DOIS MENINOS BRINCAVAM
NAS ONDAS MORNAS DO MAR.
ENQUANTO SEUS PAIS FICAVAM
NA AREIA A DESCANSAR.

FOI QUANDO UM DOS MENINOS
FORTE ONDA O MAR LEVOU.
ELE GRITOU POR SOCORRO
NINGUÉM, PORÉM, ESCUTOU.

MAS O TUBARÃO NANANDO
QUE IA POR ALI PASSANDO.
OUVIU O MENINO GRITAR
EM DISPARADA, FOI NADANDO.

__OI MENINO! SOU NANANDO
ESTOU AQUI PRA SALVÁ-LO.
NÃO É PRECISO TER MEDO
QUE NÃO VOU MACHUCÁ-LO.

NANANDO, ENTÃO, LEVOU
EM CIMA DE SI A CRIANÇA.
ATÉ A BEIRA DA PRAIA
DEIXANDO-A EM SEGURANÇA.

OS PAIS DAQUELE MENINO
VENDO AQUILO ACONTECER.
ACERCARAM-SE DE NANANDO
QUERIAM LHE AGRADECER.

A PARTIR DAQUELE DIA
NINGUÉM MAIS SE ASSUSTAVA.
ESTANDO ALGUÉM AFOGANDO
NANANDO CERTO, O SALVAVA.

NANANDO FICOU AMIGO
DE TODOS DAQUELE LUGAR.
TODA CRIANÇA QUERIA
SÓ COM NANANDO BRINCAR.

O CHEFE DOS SALVA-VIDAS
É QUE É, AGORA, O NANANDO.
O QUE SEMPRE QUIS NA VIDA
ALGUÉM ESTAR AJUDANDO.

NANANDO AGORA É FELIZ
SEU SONHO REALIZOU.
NO MAIOR DOS SALVA-VIDAS
FOI QUE ELE SE TORNOU.


O POVINHO DIFERENTE







NO FUNDO DE UM MAR BRAVIO
NO PORÃO DE UM NAVIO
QUE NAUFRAGOU POR LÁ.
DONA POLVA ESTÁ CONTENTE
SEU MARIDO IMPACIENTE
POIS SEUS FILHOS VÃO CHEGAR.

NAQUELE MESMO DIA
DURANTE UMA CALMARIA
DE UMA TARDE DE VERÃO.
NASCERAM OS POLVINHOS
QUE CHEGARAM DE MANSINHO
PARA ORGULHO DO PAIZÃO.

NASCERAM OS POLVINHOS
QUASE TODOS IGUAISZINHOS
SE NÃO FOSSE UM DOS IRMÃOS.
ENQUANTO SETE DOS POLVINHOS
ERAM TODOS IGUAISZINHOS
UM SÓ ERAM BRANCÃO.

POR SER TÃO DIFERENTE
DERAM-LHE O NOME DE GENTE
ÀQUELE POLVINHO ENGRAÇADO.
POR SER TÃO BRANQUINHO
E BASTANTE MIUDINHO
DE ZIQUINHO FOI CHAMADO.

ENQUANTO TODA TURMINHA
VINHA PELA TARDINHA
E NO NAVIO BRINCAVA.
ZIQUINHO TRISTE SENTADO
SENTINDO-SE REJEITADO
NÃO SE CONFORMAVA.

MAS O SÁBIO PROFESSOR
QUE ENTENDIA TUDO DE COR
ERA UM GRANDE TUBARÃO.
PROCUROU POR ZIQUINHO
E LHE DISSE BEM BAIXINHO
TER ENCONTRADO A SOLUÇÃO.

__ZIQUINHO VOU LHE DIZER
TUDO QUE TENS A FAZER
PARA PRETINHO FICAR.
TOME CUIDADO COM A ARRAIA
NADE ATÉ UMA PRAIA
E DEIXE O SOL TE QUEIMAR;

PARTINDO SEM DEMORA
NADANDO MAR AFORA
FELIZ SEGUIU ZIQUINHO.
SEM TEMER A ARRAIA
IMAGINANDO-SE NA PRAIA
SÓ QUERIA FICAR PRETINHO.

QUANDO À PRAIA CHEGOU
ZIQUINHO SE ENCANTOU
COM TODO AQUELE LUGAR.
O VENTO QUE SOPRAVA
O COQUEIRO QUE BALANÇAVA
NÃO QUERIA MAIS VOLTAR.

ANDANDO DEVAGARZINHO
PARA AQUECER SEU CORPINHO
E FICAR IGUAL AOS IRMÃOS.
ZIQUINHO ENCONTROU NINA
UMA LINDA MENINA
QUE TINHA BOM CORAÇÃO.

__OLÁ POLVINHO! 
QUER SER MEU AMIGUINHO? 
_ PERGUNTOU NINA CONTENTE.
__SÓ SE DE MIM VOCÊ NÃO RIR
POR EU SER TÃO BRANCO ASSIM. 
_ DISSE ZIQUINHO SORRIDENTE.

__PODE TER TODA CERTEZA
SUA COR É UMA BELEZA
NÃO TEM NADA IGUAL.
SEU BRANCO É DIFERENTE
ENCHE OS OLHOS DA GENTE
É ALVINHO COMO O SOL.

__O MEU NOME É ZIQUINHO
EU QUERIA SER PRETINHO
E NO FUNDO DO MAR BRINCAR.
POR ISSO, VIM PARA A PRAIA
VIM FUGINDO DA ARRAIA
PARA O SOL ME QUEIMAR.

__MAS MEU AMIGUINHO
SE VOCÊ FICAR PRETINHO
VAI QUERER PARA O MAR VOLTAR.
NUNCA MAIS EU O VOU VER
POIS VAI DESAPARECER
E ME VAI ABANDONAR.

ENQUANTO ZIQUINHO CONVERSAVA
O SOL SEU CORPO QUEIMAVA
SUA COR MUDOU ENTÃO.
ZIQUINHO MUITO FELIZ
DISSE QUE IA PARTIR
PARA MOSTRAR AOS IRMÃOS.

__TODA TARDE NESTA PRAIA
VENHO FUGINDO DA ARRAIA
PARA ME ENCONTRAR COM VOCÊ.
VOU SER SEMPRE SEU AMIGO
ENFRENTAR QUALQUER PERIGO
MAS NÃO DEIXO DE A VIR VER.