sábado, 19 de maio de 2012

GLAUBINHO. O SAPECA CAVALO MARINHO


LÁ NO FUNDO DO MAR, MORA UM CAVALO-MARINHO.
MUITO LEVADO E ESPERTO. SEU NOME É GLAUBINHO.

GLAUBINHO NÃO SOSSEGAVA, NO DIA, SÓ UM SEGUNDO.
ELE SEMPRE APRONTAVA, COM TODOS. TODO MUNDO.

PASSAVA TODO SEU TEMPO, NADANDO E BRINCANDO.
E SE DIVERTIA MUITO, POIS ESTAVA SEMPRE APRONTANDO.

ERAM TANTAS TRAVESSURAS, ALI NAQUELE LUGAR.
QUE FICAVA A MAIOR BAGUNÇA, LÁ NO FUNDO DO MAR.

PARA ARRUMAR A BAGUNÇA, QUE ELE SEMPRE APRONTAVA.
PARA UM DE SEUS AMIGUINHOS, É O QUE SEMPRE SOBRAVA.

MAS DO QUE ELE GOSTAVA, ERA MESMO DE APRONTAR.
O QUE TODOS LÁ DO FUNDÃO, TINHAM QUE AGÜENTAR.

ATÉ MESMO O TUBARÃO, QUE TINHA FAMA DE BRAVO.
COM AQUELAS TRAVESSURAS, JÁ SE TINHA CONFORMADO.

ELE SE DIVERTIA MUITO, SÓ QUANDO ESTAVA APRONTANDO.
E ALGUM OUTRO BICHINHO, É QUE A CULPA IA LEVANDO.

APESAR DE TÃO SAPECA, E DE SER MUITO TRAVESSO.
AO FIM, CONTAVA A VERDADE, SOBRE O QUE TINHA FEITO.

ELE ERA SEMPRE QUERIDO, POR TODOS LÁ NO FUNDÃO.
APESAR DE APRONTAR MUITO, TINHA UM BOM CORAÇÃO.

CERTA FEITA SUA MÃE, DE CASTIGO O COLOCOU.
GLAUBINHO FICOU TRISTE, E SAL ALEGRIA ACABOU.

SEUS AMIGUINHOS DO MAR, NÃO SABIAM O QUE FAZER.
POIS GLAUBINHO É QUEM FAZIA, TUDO DE BOM ACONTECER.

SUA MÃE DECIDIU ENTÃO, SUSPENDER-LHE O CASTIGO.
E TUDO FICOU COMO ANTES, PRA TODOS E CADA AMIGO.

TODOS DO FUNDO DO MAR, JÁ ESTÃO ACOSTUMADOS.
COM AQUELAS TRAVESSURAS, ELE NUNCA FICA PARADO.

NOSSO CAVALO MARINHO, A QUEM CHAMAMOS DE GLAUBINHO.
E MORA NO FUNDO DO MAR.

ALGUM DIA CRESCERÁ. E OS FILHOS QUE VAI TER, 
SUA HISTÓRIA CONTARÁ.